Início » Blog » Abdominoplastia – O guia completo da plástica no abdome

Abdominoplastia – O guia completo da plástica no abdome

A abdominoplastia (também conhecida como plástica do abdome) é um sonho para muitas pessoas. Poder ter a barriga que sempre quiseram, usar biquínis e blusas mais curtas ou justas, sentir confiança, elevar a autoestima… As razões são diversas. A flacidez da pele no abdome pode ter ocorrido devido a diversas causas, como ganho ou perda excessiva de peso, gravidez, idade, e também herança genética.

 

 

A plástica do abdome está entre as cirurgias mais procuradas nos consultórios de cirurgia plástica, junto com a lipoaspiração, rinoplastia, e aumento ou redução dos seios. Ao se decidir fazer a cirurgia de abdominoplastia, é necessário saber quais cuidados tomar antes e o que fazer no pós-operatório, assim como o que esperar do resultado, e o que fazer para manter o seu corpo recém-operado. 

Nosso guia vai esclarecer as principais questões em torno dessa cirurgia! Continue lendo para saber mais sobre o assunto.

 

 

O que é abdominoplastia?

 

O propósito dessa cirurgia é eliminar a maioria do excesso de gordura localizada no abdome, retirar a pele flácida, minimizar as estrias e celulites, modelar o corpo, harmonizar as proporções e aproximar os músculos para deixar a barriga mais lisa, tonificada e firme. Na maioria dos casos esse procedimento é associado com a lipoaspiração, para deixar a silhueta do corpo do paciente com curvas, mais desenhada e natural. É muito incomum realizar a abdominoplastia sem a lipoaspiração, mas pode acontecer. Cada corpo é diferente, portanto é necessário perguntar ao médico quais procedimentos serão realizados na cirurgia. 

Muitas pessoas confundem lipoaspiração com abdominoplastia. A primeira é indicada para exterminar a gordura localizada, enquanto a segunda serve para remover o excesso de pele na barriga e deixar o músculo do abdome com aspecto tonificado e firme, já que o mesmo é aproximado com pontos.

Em alguns casos, o médico pode pedir para que o paciente perca um pouco de peso antes da data marcada, para que a cirurgia seja mais satisfatória. O mais importante é que o paciente esteja saudável para passar pela operação. 

A cirurgia pode levar de duas a quatro horas, dependendo da situação do paciente.  

Se o paciente desejar e estiver dentro dos padrões adequados e necessários, é também possível combinar a abdominoplastia com cirurgia de redução ou aumento dos seios ou alguma outra cirurgia, embora os riscos de uma cirurgia combinada sejam maiores.

O período de internação é de no mínimo de 24 horas, e é de suma importância que esse tempo seja respeitado, para verificar se o paciente está realmente bem para repousar em casa. Caso ele não esteja se sentindo bem, ou o médico decida que é necessário permanecer um pouco mais, o período pode aumentar e chegar a 72 horas ou mais de acordo com o caso.

 

 

 

Quem pode fazer a cirurgia?

 

Tanto mulheres quanto homens podem se submeter à cirurgia. Geralmente, é indicado para quem perdeu uma quantidade significativa de peso e está com a pele flácida. Mulheres que tiveram filhos também realizam com frequência a cirurgia, já que o abdome fica bem diferente após a primeira ou segunda gestação. 

Pessoas com mais idade também procuram bastante essa cirurgia, já que, com o passar do tempo, a pele já não fica mais a mesma. 

Atenção: Vale ressaltar que a abdominoplastia não deve ser feita se o intuito é perder peso, já que serve apenas como ferramenta estética. Haverá uma redução de parte do volume abdominal, devido a toda pele e gordura em excesso serem retiradas, mas a gordura interna, chamada visceral, não será alterada com a cirurgia.

 

 

Quem não deve fazer a cirurgia?

 

– Mulheres que desejam engravidar;

– Pessoas com obesidade (cada caso deve ser avaliado) ou fumantes, já que os riscos de necrose são muito altos;

– Pessoas com problemas cardíacos;

– Pacientes que já passaram por algum tipo de cirurgia no abdômen e possuem cicatrizes ou com alguma doença do colágeno.

 

 

Quais cuidados tomar no pré-operatório?

 

– Fazer todos os exames pedidos pelo médico;

– Obedecer às instruções dadas para a internação;

– Comunicar qualquer anormalidade ou doença que eventualmente ocorra, quanto ao seu estado geral;

– Ser honesto em relação à cirurgias realizadas anteriormente, para que o médico não se surpreenda quando estiver no centro cirúrgico. Essa informação é de suma importância, pois a segurança e o bem-estar devem ser a prioridade;

– Vir acompanhado para a internação e ter alguém para cuidar do paciente, já que o mesmo fica debilitado por alguns dias;

– Ficar em jejum por oito horas;

– Evitar uso de brincos anéis, alianças, piercings, esmaltes coloridos nas unhas, etc;

– Não fumar, não ingerir bebidas alcoólicas, e evitar ingerir refeições muito pesadas dias antes da cirurgia.

 

 

Os riscos

 

Se o paciente fizer todos os exames pedidos pelo médico e não ocultar nenhuma informação, os riscos diminuem e a segurança aumenta. No entanto, ainda é uma cirurgia que possui riscos, como todas as outras. Alguns exemplos deles são: embolia, hematomas, seromas, infecção, parada cardíaca, e problemas resultantes da anestesia. 

Antes de marcar a cirurgia é preciso verificar se a clínica ou hospital possui todos os equipamentos adequados caso uma situação assim aconteça. Claro que para ter uma segurança maior recomenda-se escolher um médico de confiança, profissional qualificado e com indicações de pessoas próximas.

 

 

A anestesia

 

A anestesia mais utilizada durante essa operação é a epidural, que se situa na região lombar da coluna vertebral, que anestesia apenas a região onde a cirurgia irá acontecer. Claro que a anestesia geral pode ser usada em alguns pacientes, caso seja necessário. Conversar com o anestesista antes da cirurgia é primordial para saber qual anestesia será administrada no paciente e como irá funcionar. Se o paciente possuir alergias a alguns medicamentos, ele deverá comunicar antes, para que a anestesia seja adaptada com os medicamentos corretos para ele.

 

 

 

O que acontece na cirurgia?

 

Normalmente, são feitas duas incisões. A primeira é uma linha na horizontal, na região pubiana abaixo de onde costuma ficar o biquíni. O tamanho irá depender da quantidade de pele que será retirada, sendo mais extensa quanto maior for o excesso de pele. Por meio dessa incisão se chega aos músculos abdominais que são aproximamos por pontos, e o excesso de pele e gordura é retirado. 

A segunda incisão é feita na região do umbigo, de maneira circular de forma a isolar o umbigo do restante da pele abdominal, e serve para permitir a retirada por completo do excesso de pele flácida, deixando a barriga sem vestígios de flacidez para que o paciente fique satisfeito. Por fim, o médico costura novamente o umbigo à pele abdominal. Portanto, é errado pensar ou falar que na abdominoplastia você ganha um umbigo novo. O umbigo do paciente é reposicionado com pontos, por isso fica a impressão de que a aparência muda tanto. 

Geralmente, drenos são implantados no abdome e devem ser esvaziados diariamente. Eles servem para drenar o líquido que se forma embaixo da pele, na região onde foi feita a cirurgia, evitando a formação do chamado seroma, e auxiliando na cicatrização e na recuperação do paciente. Os drenos são fáceis de manusear e permanecem por um período determinado pelo médico, devendo ser retirados no consultório/clínica ou hospital, após a indicação do cirurgião.

 

Quais cuidados tomar no pós-operatório?

 

– Utilizar a cinta modeladora por pelo menos dois meses, para garantir um resultado satisfatório. A cinta vai garantir que o inchaço diminuía e ajudará a evitar o acúmulo de líquidos. Ela serve também para moldar a silhueta e a cintura do paciente;

– Evitar sol, friagem, vento e esforços por um período mínimo de 15 dias;

– Não dirigir por pelo menos um mês;

– Comparecer ao consultório para controle pós-operatório, nos dias indicados;

– Obedecer à prescrição médica;

– Evitar carne de porco e chocolate, já que esses alimentos dificultam o processo de cicatrização;

– Não pegar peso durante pelo menos 30 dias;

– Fazer refeições com alimentos saudáveis, para que nenhum desconforto ocorra;

– Não ingerir álcool, nem fumar durante a recuperação;

– Fazer diversas sessões de drenagem linfática, de acordo com as instruções do médico;

– Utilizar somente os medicamentos indicados pelo médico durante a recuperação. Qualquer medicamento de uso contínuo deve ser comunicado;

 

Para ler: Quer levantar os seios? Conheça o Lifting de Mama.

 

 

Sobre a dor

 

A abdominoplastia é conhecida como uma das cirurgias mais dolorosas da área. Isso acontece devido aos músculos do abdome serem aproximados com pontos, e a dor pode ser confundida com a da academia, após se exercitar muito. Outra dificuldade é a de respirar, devido à barriga estar com a cinta também, além dos vários pontos. Esse incômodo pode ocorrer na primeira semana. Entretanto, o paciente não deve se assustar, já que a dor é muito relativa em cada um.

 O médico provavelmente irá prescrever alguns analgésicos para amenizar a dor.

 

 

O que esperar dessa cirurgia?

 

Nos primeiros dias o paciente ficará inchado no corpo todo, e também poderá ficar com alguns hematomas roxos e amarelados no abdome e nas costas. O resultado não poderá ser visto nos primeiros dias, já que os pacientes não conseguem ficar inteiramente eretos devido às diversas suturas. 

A remoção dos pontos será feita pelo médico após alguns dias, sendo de suma importância não encostar neles e muito menos tentar removê-los.

 

 

A cicatriz e o resultado

 

Muitas pessoas têm medo dessa cirurgia devido à cicatriz, mas isso não deve ser uma preocupação. Com um cirurgião competente e devidamente habilitado, a cicatriz ficará na região pubiana, na parte abaixo da marca do biquíni. Há também outra cicatriz na parte interna no umbigo. Cabe ressaltar que a cicatrização depende muito da pele do paciente, tendo em vista que algumas pessoas têm melhor cicatrização do que outras. Conversar com o médico para mais explicações sobre a cicatriz é sempre importante! 

A cicatriz poderá ficar rosada até o sexto mês depois da cirurgia, com tendência a clarear após esse período e até um ano.

O resultado definitivo só poderá ser visto no período de 8 a 15 meses após a cirurgia, momento em que os tecidos se acomodam e a cicatriz diminui. Nos primeiros meses o inchaço é predominante, e diminui gradativamente até começar a aparecer o que será o abdome real.

 

 

 

Sobre a importância da drenagem linfática

 

A drenagem linfática é de suma importância no período de recuperação da cirurgia. Ela nada mais é do que um tipo de massagem que pode ser realizada com as mãos ou com algum aparelho especial. A drenagem ajuda o corpo a eliminar toxinas e líquidos, no combate da celulite, e a diminuir o inchaço.

As toxinas são direcionadas para o sangue com as mãos, sendo filtradas pelos rins e são eliminadas através da urina. É importante fazer as sessões em uma clínica especializada ou com algum professional qualificado, pois se a drenagem linfática for feita de maneira errada, pode ocorrer a inibição da circulação.

 

 

Como manter o corpo em forma após a cirurgia

 

É indicado que o paciente tenha uma rotina com exercícios físicos e alimentação saudável, para que a gordura não volte e deixe um resultado insatisfatório no corpo. Quanto melhor for a sua alimentação e a frequência de atividade, mais bonito ficará o resultado final da abdominoplastia.

 Atenção: pergunte ao seu médico qual é a melhor data para voltar com as atividades físicas, lembrando que deve ser de maneira gradativa, respeitando o pós-operatório.

 

Para ler: Saiba tudo sobre a lipoaspiração e tire suas dúvidas sobre o tema.

 

O paciente deve se lembrar de checar se o médico escolhido é especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, se a clínica ou hospital possui um centro cirúrgico autorizado pela Vigilância Sanitária, e quais são as opções caso o individuo não fique satisfeito com os resultados da cirurgia.

 É válido verificar os comentários e avaliações de alguns dos pacientes que o médico já operou, para ver se todos ficaram satisfeitos com a operação.

Clarice Abreu

Sobre a Drª. Clarice Abreu

Sou médica especialista em Cirurgia Plástica e Cirurgia Craniomaxilofacial, com formação nacional e internacional em Cirurgia Plástica Estética e Reparadora e em Cirurgia Plástica e Craniofacial Pediátrica. Estou comprometida com um atendimento diferenciado e humanizado, respeitando a individualidade de cada paciente e valorizando seus aspectos psicológicos, suas motivações e expectativas pessoais.