Início » Blog » Dicas de alimentação para as crianças durante as férias

Dicas de alimentação para as crianças durante as férias

O período de férias é a maior alegria para as crianças. Muita diversão e brincadeiras, além de mais tempo em casa e também com os familiares. Mas esses dias também podem significar mudanças significativas de rotina e regras, e isso atrapalha a alimentação das crianças. Sem falar que depois, na volta às aulas, a criança demora a se adaptar e pode levar semanas até se acostumar ao ritmo novamente.

 

 

Portanto é importante se antecipar e programar um calendário de alimentação, para que se mantenha o mesmo durante esses dias. Afinal de contas, a saúde dos pequenos deve ser priorizada – principalmente na fase do crescimento.

 

Veja também: Colesterol: tudo que você precisa saber sobre o assunto!

 

Confira abaixo as nossas dicas para manter uma alimentação saudável durante o período de férias:

 

1 – Mantenha os horários das refeições:

 

Por conta das férias, os pequenos tendem a acordar mais tarde e/ou ficar acordados até altas horas. Isso, além de desregular o metabolismo, também faz com que eles comam em horários diferenciados, talvez até mesmo durante a madrugada. Vale a pena ficar de olho e não deixar isso acontecer.

 

Manter a qualidade dos alimentos também é importante. Doces e frituras são permitidos, mas sempre em quantidades apropriadas e nos horários corretos: nunca perto do horário de dormir ou logo após acordar, pois atrapalham a digestão e a absorção de nutrientes. Além disso, ingerir alimentos do tipo junk-food pode causar insônia e agitação, dificultando o descanso dos pais e das crianças. Vale a pena seguir essas dicas!

 

Para não cair na tentação de servir às crianças sempre o que é mais fácil: como bolachas recheadas, salgadinhos, balas e doces em geral, o ideal é preparar lanchinhos nutritivos e ao mesmo tempo saudáveis, como castanhas, frutas, sorvetes feitos em casa, etc. Inclusive, uma dica de passa-tempo para as crianças é ensiná-las a preparar o próprio lanche: picolés de frutas são divertidos e fáceis de fazer, separar castanhas e colocá-las em saquinhos de plásticos, assim como cortar as frutas em formas diferentes (no supermercado há formas de coração, estrelas, brinquedos, etc), são opções bacanas para entreter os pequenos.

 

 

Além dos lanchinhos, ensiná-los a preparar uma refeição saudável também é super importante: como lavar os legumes, criar bolos e bolachas funcionais, sucos e smoothies… Desse modo fica divertido mostrar o lado divertido de cozinhar!

 

2 – Não se esqueça da hidratação:

 

Especialmente no verão, as crianças fazem mais atividades ao ar livre, em parques, piscinas, praias… A época de férias é onde se tem o maior índice de desidratação, e com isso diarreias e vômitos. Os pequenos podem acabar no hospital, tendo que tomar soro e remédios. Para isso não acontecer, lembre-se sempre de oferecer muita água, sucos naturais e até mesmo chás gelados.

 

Leia: Entenda a Síndrome de Apert

 

A água de coco é uma ótima opção para o verão, pois tem grande concentração de água, vitaminas, minerais e antioxidantes. Se possível, opte pela água de coco natural, sem conservantes.

 

3 – As principais refeições devem ser mantidas (mesmo quando os pais e/ou responsáveis não têm muito tempo)

 

Se você não tem tempo de cozinhar refeições todos os dias, que tal apostar num modo prático e rápido de garantir a alimentação saudável das crianças? Congelar refeições pode te poupar muito tempo! Se feito com precaução, o alimento congelado garante os nutrientes que as crianças necessitam nessa tão importante fase. Se aliada com produtos orgânicos, essa opção se torna uma preciosa dica para pais e crianças nas férias! 

 

Mas se para você cozinhar grandes quantidades e congelá-las ainda é um problema, saiba que uma tendência nos dias de hoje são as pequenas empresas especializadas em comidas saudáveis congeladas!

 

Muitas pessoas, especialmente aquelas que malham diariamente e que querem uma qualidade de vida melhor, escolhem essa opção de “marmita saudável”. Normalmente essas empresas montam um menu semanal com várias opções e o cliente escolhe o que lhe mais agradar. Depois, o cliente vai descongelando as refeições e pronto: saúde na certa sem gastar tempo! E você consegue adaptar isso para as crianças também!  

 

4 – Mostre para as crianças a importância de comer alimentos saudáveis:

 

A maioria das crianças não tem nem ideia de onde os alimentos vêm. Por isso para elas é tão difícil entender por que não podem comer lanches, batatas fritas, massas, chocolates, refrigerantes e afins em todas as refeições. Uma dica muito bacana é levá-las em espaços onde os alimentos são produzidos: fazendas, hortas, plantações, etc. Até mesmo locais onde são criados animais, para que elas tenham consciência de que nada vem sem esforço, e que é importante prestar atenção no que se come.

 

Há algumas fazendas onde as pessoas podem colher suas próprias frutas e legumes, e no final comprar e levar produtos fresquinhos para casa. Que tal fazer um passeio super diferente com as crianças? Desse modo, elas se divertem e aprendem ao mesmo tempo. Pode ser uma experiência divertida e também um incentivo para os pequenos que não gostam de verduras e legumes. 

 

 

Tente explicar que legumes e frutas fazem bem porque são feitos com cuidado, e no caso dos alimentos orgânicos, são ainda melhores por conta da não-utilização de agrotóxicos. Conversar sobre de onde vem os alimentos fast-food e o que eles podem fazer no nosso corpo (mal ao coração, à pele, enfim, saúde no geral), também é uma maneira de trazer mais consciência à alimentação.

 

Veja também: Rinite alérgica: Causas e tratamentos

 

 

Com essas dicas vai ser muito mais prático e divertido manter a alimentação das crianças saudável durante as férias!

Clarice Abreu

Sobre a Drª. Clarice Abreu

Sou médica especialista em Cirurgia Plástica e Cirurgia Craniomaxilofacial, com formação nacional e internacional em Cirurgia Plástica Estética e Reparadora e em Cirurgia Plástica e Craniofacial Pediátrica. Estou comprometida com um atendimento diferenciado e humanizado, respeitando a individualidade de cada paciente e valorizando seus aspectos psicológicos, suas motivações e expectativas pessoais.