Início » Blog » As 6 cirurgias reparadoras mais comuns no Brasil

As 6 cirurgias reparadoras mais comuns no Brasil

 

Você já ouviu falar em cirurgias reparadoras? Vou te explicar um pouco mais sobre esse tipo de cirurgia nessa postagem!

Se você está aqui, imagino que já saiba o que é uma cirurgia plástica. Afinal, o Brasil é um dos países líderes neste tipo de cirurgia e nós ficamos atrás apenas dos Estados Unidos.

Muitas dessas cirurgias têm caráter estético – ou seja, são para deixar algum aspecto do corpo mais bonito. Exemplos são: Lipoaspiração, implante de silicone nos seios, cirurgia da pálpebra, abdominoplastia, lifting e/ou redução de mama, rinoplastia, entre outras.

Isso faz bastante sentido, afinal, as questões estéticas estão intrinsecamente ligadas ao bem-estar e a autoestima.

Além disso, a cirurgia plástica virou algo quase cultural em nosso país. Homens, mulheres e até mesmo crianças passam pelos procedimentos e obtêm resultados excelentes, que transformam suas vidas.

 

Descubra: 10 famosas que têm silicone e talvez você não saiba

 

Porém, muitas vezes as cirurgias plásticas não são feitas somente com o objetivo estético, e sim para corrigir também algum sintoma de malformação congênita (adquirida no nascimento) e/ou sequelas de acidentes.

Agora você vai conhecer mais sobre as cirurgias plásticas reparadoras e saber quais são as mais populares no Brasil!

 

 

O que são cirurgias reparadoras?

Segundo uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), pelo menos 40% das cirurgias plásticas realizadas no Brasil tem o objetivo de reparar alguma malformação.

Como eu mencionei antes, essa malformação pode ser congênita ou adquirida ao longo da vida em acidentes, doenças como câncer, traumas, alterações no desenvolvimento, etc.

A cirurgia reparadora é uma intervenção cirúrgica por motivos médicos. Portanto, antes de pensar na parte estética, é necessário focar na saúde, bom funcionamento físico e também mental do paciente, pois ela é tão crucial como qualquer outra cirurgia.

Esse tipo de procedimento busca aprimorar e/ou recuperar funções perdidas ou comprometidas do paciente, restaurando-as da melhor maneira possível.

As cirurgias reparadoras mais comuns no Brasil para sequelas adquiridas

1. Reconstrução da mama

 

A remoção parcial ou total das mamas para prevenir ou tratar o câncer é uma cirurgia que costuma ser agressiva para as mulheres. Por isso, a reconstrução é muito importante para a autoestima e para a superação de traumas.

É preciso analisar cada caso. Alguns pacientes são aptos para passar pela cirurgia da remoção da mama e da reconstrução de uma vez só. Outros, precisam aguardar alguns meses para passar pelo procedimento. O médico mastologista é quem irá julgar o bem-estar do paciente.

A cirurgia da reconstrução da mama é feita com enxertos de tecido da própria pessoa, retirados de outras partes do corpo. Há também a possibilidade de utilizar próteses de silicone. É a equipe médica que irá pensar na melhor maneira para cada paciente.

 

2. Cirurgia bariátrica

 

Como esse procedimento faz o paciente perder peso muito rápido, é normal que a pele sofra os efeitos.

O excesso de pele causa grande incômodo nos pacientes, afetando diretamente a autoestima. Além disso, a higiene muitas vezes também é afetada, causando problemas de pele.

A lipoaspiração, abdominoplastia e dermolipectomia são recomendados nesse caso.

 

Entenda: Abdominoplastia: O Guia Completo da plástica no abdome

 

3. Câncer de pele

 

A cirurgia para remover o câncer é muito delicada e pode deixar algumas cicatrizes ao longo do corpo. A cirurgia reparadora reconstrói as lesões e tenta devolver a integridade da pele.

O procedimento consiste em na remoção da lesão, que pode ser seguida de uma sessão de congelamento. Se for necessário, ainda, o profissional pode optar por utilizar o tecido saudável de outras partes do corpo também.

Dependendo do caso, é feita uma anestesia local ou geral.

 

Cirurgias reparadoras de malformações congênitas

4. Reparação de Lábio Leporino e Fenda Palatina

 

As fissuras de lábio e palato são a malformação congênita mais comum no rosto. A criança pode apresentar apenas uma fissura de lábio, uma fissura de lábio e palato ou apenas a fissura do palato.

Muitos pais já querem operar assim que a criança nasce, mas a cirurgia para correção de fissuras não costuma ser realizada em bebês recém-nascidos.

Alguns objetivos básicos devem ser alcançados em uma cirurgia para correção da fissura labial e o restabelecimento da harmonia estética da face:

  • Reconstrução do sulco entre a gengiva e o lábio;
  • Reconstrução do assoalho nasal;
  • Reconstrução da pele e da vermelhão dos lábios.

 

5. Correção de Cranioestenoses ou Craniossinostoses

 

A cranioestenose é a fusão prematura de uma ou mais suturas cranianas, tendo como consequência uma deformação do crânio.

Essa malformação pode ser responsável por um conflito de crescimento entre o crânio e o encéfalo que pode deixar sequelas, notadamente visuais e mentais.

A cirurgia para correção de uma cranioestenose pode ser realizada em qualquer idade, incluindo adultos. No entanto, o primeiro ano de vida é o período mais favorável às intervenções cirúrgicas.

Atenção: é necessário avaliar cada paciente e cada deformidade craniana isoladamente e determinar o melhor período e técnica a ser utilizada conforme cada caso.

Leia também: 15 dúvidas sobre Botox Estético

 

6. Reconstrução de Orelha

 

A reconstrução de orelha pode ser necessária quando há um defeito congênito de sua formação. Também há casos de quando a orelha tinha um padrão comum, mas sofreu algum tipo de trauma que alterou sua conformação natural.

Ao longo dos anos, diversos cirurgiões forneceram inúmeras contribuições para o desenvolvimento da técnica de reconstrução de orelha.

A maioria dos cirurgiões defende que o processo seja feito em múltiplos estágios, realizando a reconstrução usualmente em 2 ou 4 tempos operatórios, conforme a técnica selecionada.

Apesar da ansiedade dos pais e da própria criança para a cirurgia, a orelha não deve ser operada antes dos 7 anos de idade.

Antes desse período, a orelha ainda se encontra em crescimento e qualquer tentativa de reconstrução não vai ser precisa em mimetizar o tamanho definitivo que a orelha ainda vai alcançar. Ou seja, a cirurgia prematura pode deixar a orelha ainda deformada.

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhor serão as opções de recuperação e reparação.

 

 

Você sabia que eu me aperfeiçoei em cirurgias reparadoras, principalmente de malformações congênitas craniofaciais?

Aprendi com alguns dos mais renomados cirurgiões e serviços de prestígio internacional. Minha trajetória como cirurgiã conta com aprendizados nos Estados Unidos, Holanda, Suíça, Inglaterra e França, para me especializar em procedimentos que ajudem crianças e adultos com malformações a terem mais qualidade de vida.

Clique AQUI e saiba mais sobre as minhas áreas de atuação.

Você conhece mais algum cirurgia reparadora que não citei? Ficou com dúvida sobre algum procedimento? Compartilha comigo nos comentários!

Clarice Abreu

Sobre a Drª. Clarice Abreu

Sou médica especialista em Cirurgia Plástica e Cirurgia Craniomaxilofacial, com formação nacional e internacional em Cirurgia Plástica Estética e Reparadora e em Cirurgia Plástica e Craniofacial Pediátrica. Estou comprometida com um atendimento diferenciado e humanizado, respeitando a individualidade de cada paciente e valorizando seus aspectos psicológicos, suas motivações e expectativas pessoais.