Início » Blog » 11 mitos e verdades sobre fratura no nariz

11 mitos e verdades sobre fratura no nariz

Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o Brasil é o segundo país que mais faz procedimento cirúrgicos estéticos do mundo, com mais de 1,1 milhão de cirurgias no ano.

Nessas operações realizados no País, mais de 430 mil correspondem a procedimentos faciais, sendo que a rinoplastia é uma das mais escolhidas entre elas. Entretanto, nem sempre a rinoplastia é feita apenas por estética, existem aqueles que precisam se submeter a essa cirurgia para consertar uma fratura no nariz!

Apesar de ser um assunto que costuma amedrontar (pois quase ninguém gosta quebrar alguma parte do corpo, não é?), é preciso alertar sobre essa situação. Afinal, todos estão suscetíveis a sofrer algum tipo de acidente e fragmentar algum osso que está localizado nessa região.

escrevi um texto falando sobre esse assunto, mas agora vou contar 11 mitos e verdades sobre fratura no nariz para te ajudar ainda mais a lidar com essa possível situação. Confira:

1 – O tipo de fratura pode variar de acordo com a idade da pessoa.

Verdade! Comumente, quando uma pessoa mais jovem sofre uma fratura na região do nariz os fragmentos tendem a ser maiores. Porém, quando isso acontece com alguém mais idoso, é mais comum que os fragmentos do osso quebrado sejam menores e mais esmiuçados.

2 – Cirurgia é a única forma de curar uma fratura no nariz.

Mito. Essa não é a única forma de tratar esse tipo de fratura, porém isso só pode ser decidido por um médico especialista na área. Entretanto, a indicação costuma acontecer nos casos em que há o desencaminhamento de ossos mais importantes para a estrutura do nariz, e que podem acarretar em uma obstrução nasal. Em outros casos, é possível fazer o realinhamento manual do nariz.

3 – O maior sintoma de uma fratura no nariz é a deformidade.

Mito. Apesar da deformação do nariz ser um grande indicador de que algo não está certo, dependendo de como aconteceu a fratura, os sintomas podem variar entre sangramentos, dores na região, edemas ou até mesmo dificuldade para respirar, quando ocorre a obstrução nasal.

4 – A cirurgia é feita logo após o diagnóstico da fratura.

Mito. Normalmente, é preciso esperar entre 10 a 15 após o acontecimento do trauma para que a região desinche o suficiente para que o cirurgião consiga analisar qual é o melhor procedimento a ser feito para consertar o osso e não deixar nenhum sinal de deformidade no nariz do paciente.

5 – É uma cirurgia que exige anestesia geral.

Esse é o protocolo seguido pela maioria dos cirurgiões por causa da localização do procedimento, além disso há a necessidade de proteção da via respiratória devido a possíveis sangramentos.

Entretanto, ela não tende a oferecer muitos riscos para o paciente. Após a operação, é indicado que ele faça lavagens diárias com soro fisiológico e que utilize de analgésicos para evitar dores que possam surgir no local.

6 – Esportistas têm maior chance de sofrerem uma fratura no nariz.

Verdade. Isso acontece principalmente com aqueles que praticam esportes que exigem contato com outros e dispensam o uso de capacetes. Por exemplo, basquete, judô, boxe, vôlei, handebol e futebol. Na Copa do Mundo de 2018, um jogador alemão, Sebastian Rudy, teve o nariz quebrado após ser chutado acidentalmente por Ola Toivonem, jogador coreano. Ele passou por uma cirurgia de correção no mesmo dia e voltou aos campos apenas três dias após o procedimento.

Além disso, a fratura nem precisa acontecer durante a partida em si, momentos de comemoração também causar um osso quebrado. Em 2017, Romero, jogador do Nacional, time do Uruguai, quebrou o nariz após o zaqueiro do time pular em cima dele para celebrar um gol feito de falta.

Outras situações que podem ser consideradas de risco são: participação em lutas físicas, levantamento de peso, andar de bicicleta ou dirigir um veículo sem cinto de segurança.

7 – Esse tipo de cirurgia possui uma recuperação rápida.

Verdade! Em casos que é necessária a intervenção cirurgia, na maioria das vezes o período de recuperação é de apenas sete dias. Nesse tempo, há a possibilidade de utilizar gesso ou um curativo de material rígido para ajudar os ossos a permanecerem no lugar correto.

8 – Não tem chance de acontecer complicações nessa cirurgia.

Mito, porém não é algo muito comum. Afinal, se você está se consultando com um médico de qualidade e que está acompanhando o seu caso, ele estará pronto para evitar qualquer tipo de complicação.

Entretanto, às vezes, fatores inesperados podem causar alguns problemas. Alguns deles são: cicatrização irregular (que pode resultar em diminuição da cavidade nasal, algo que prejudica a passagem de ar), obstrução do canal lagrimal, acúmulo de sangue na região (manchas roxas podem ser um sinal) e infecção.

9 – O nariz estará recuperado em um mês.

Verdade, na maioria dos casos. Após esse período a fratura deve estar consertada e sem nenhum tipo de inchaço. Porém, é preciso tomar cuidado com essa região do rosto por, no mínimo, três a quatro meses.

Se, após esse tempo, você ainda sentir dificuldade para respirar ou algum tipo de incômodo, é indicado consultar um otorrinolaringolista ou um cirurgião plástico para avaliar a situação.

10 – Recém-nascidos podem quebrar o nariz.

Verdade. Isso pode acontecer durante o momento do parto e, na maioria dos casos, é possível perceber a fratura pela clara deformidade no nariz. Após isso, o bebê deve ser levado imediatamente para a cirurgia para evitar que a região fique torta definitivamente ou que ele desenvolva problemas respiratórios.

Entretanto, no geral, crianças têm menos chances de quebrar a região do nariz, já que seus ossos e cartilagens são mais flexíveis do que os de pessoas mais velhas.

11 – Se o resultado da cirurgia é definitivo.

Mito. Novamente, se você se consultar com um médico de qualidade, é provável que ele “acerte” a forma do seu nariz e a corrija de primeira, mas, caso você não goste do resultado final, é possível fazer uma rinoplastia para mudar a parte estética.

O único pedido feito pelo cirurgião plástico, na maioria dos casos, é aguardar, no mínimo, por seis meses para que haja a consolidação dos ossos.

Clarice Abreu

Sobre a Drª. Clarice Abreu

Sou médica especialista em Cirurgia Plástica e Cirurgia Craniomaxilofacial, com formação nacional e internacional em Cirurgia Plástica Estética e Reparadora e em Cirurgia Plástica e Craniofacial Pediátrica. Estou comprometida com um atendimento diferenciado e humanizado, respeitando a individualidade de cada paciente e valorizando seus aspectos psicológicos, suas motivações e expectativas pessoais.